Retroceder Descubra mais da Shimano

Os dois atletas exploram novos potenciais de travagem com uma configuração engenhosa unilateral

Josie Fouts tem muito pouco tempo para limites. Nativa de Ohio, com 29 anos de idade começou a competir há apenas dois anos atrás e, neste curto espaço de tempo, já ganhou dois títulos do campeonato americano. Mais recentemente, estabeleceu o recorde de tempo no Velódromo de San Diego, um feito impressionante por si só e ainda mais extraordinário nas circunstâncias de Josie. Ela nasceu sem a mão esquerda.

Josie vê a sua diferença física como fonte de força. Desenvolveu a sua robustez emocional e deu-lhe o tipo de desconsideração por limites que lhe permitiu traçar o seu caminho até ao livro dos recordes. Ajudou-a a perceber que pouco se pode intrometer no seu caminho à medida que procura entrar na equipa de atletas paralímpicos dos EUA para os Jogos de 2021 em Tóquio.

Não contente em descansar sobre os méritos e feitos já alcançados, reconhece que há muito mais espaço para melhorar. Espaço para melhorar a sua condição física e experiência e graças a uma combinação engenhosa de componentes XTR e Dura-Ace, pode levar o controlo da bicicleta a um nível completamente inesperado.

Para ciclistas que utilizam apenas uma mão, operar dois travões foi sempre um desafio. Apesar de o uso de um divisor permitir a operação dos travões da frente e de trás em apenas um lado, o design possui inconvenientes significativos. Não permite que um atleta use o travão da frente e de trás de forma independente ou não permite modular a potência de forma distinta. Nos sistemas hidráulicos, dividir a potência em 50/50 cria menos potência do que um travão único. É um arranjo que agarra tudo de uma só vez.

Entre Steven Wilke, um colega ciclista e paraolímpico promissor que vive no Utah e trabalha para a Scott Bikes. Steven também usa uma mão para controlar tanto os travões como as mudanças na sua bicicleta. Viveu com a pouco ideal configuração do divisor antes de desistir disso de uma vez porque se sentia pouco seguro e confiante. Começou a pedalar apenas com um travão de disco Ultegra à frente que, apesar de ser suficientemente forte, não lhe dava a mesma sensação de controlo que aos seus colegas ciclistas quando pedalavam pelos desfiladeiros do Utah a mais de 80 km/h.

"Adoro descer o mais rápido possível e não deixo nunca que a possibilidade de usar apenas um travão me atrapalhe", explica. "Mas recentemente várias coisas aconteceram - como um veado que saltou mesmo à minha frente e bloqueei a minha roda da frente quando apanhei a sua parte lateral - e percebi que tinha de arranjar uma solução."

E essa solução foi afinal tão simples que basicamente estava na caixa das peças de substituição da sede da Scott. Pegou numa manete de travão XTR, virou-a de pernas para o ar para que encaixasse dentro do manípulo de controlo duplo STI Dura-Ace montado na bicicleta. Um punho TOGS no espaço livre permitiu que a sua mão descansasse no sítio perfeito, oferecendo suporte enquanto os dedos médio e indicador tentam alcançar a manete. E já está! Tinha ação e modulação independentes no que toca aos travões de disco hidráulicos dianteiros e traseiros.

Bastou um pouco de imaginação para reescrever o guião com controlo único da bicicleta.

Mas as possibilidades de adaptação não se ficam apenas pelos travões. Um pouco de imaginação e ingenuidade permitiram que os ciclistas adaptativos expandissem a opção também no que respeita aos manípulos de mudanças de lado único. Graças à programação da comutação sincronizada do Shimano Di2, que permite uma operação apenas com uma mão da combinação completa dos 22 andamentos nas configurações Di2 de 11 velocidades, os ciclistas podem controlar tudo a partir de um único manípulo. Esta função é facilmente adaptável tanto para ciclistas esquerdinos como destros, dependendo das necessidades dos mesmos. Para Josie, a sua montagem será do lado direito da bicicleta, tal como para Steven.

"Isto é de doidos!" Exclamou Josie quando viu pela primeira vez o design de comutação e travagem dupla Di2 combinado, enquanto a sua cabeça começou a imaginar todas as possibilidades. Se ela pudesse operar cada travão de forma independente, conseguia andar mais rápido durante mais tempo antes de abrandar para fazer a curva. Tem de travar com mais força para ser mais rápido, diz o povo e Josie está muito consciente disso. Afinal de contas, é uma corredora e a velocidade está sempre na sua mente. E é a velocidade que a vai ajudar à medida que se prepara para os objetivos nos paralímpicos, entre outros.

Share this article

Related Stories