Voltar Descubra mais Shimano

a ex-campeã de Flandres faz ponderações sobre as subidas mais difíceis da Ronde van Vlaanderen

Como a Coryn Rivera, da equipe Sunweb, as subidas de Flandres são tenazes, duras e fáceis de subestimar, com base apenas no perfil de altitude. Rivera mora no ensolarado sul da Califórnia, mas ela teve sucesso nas pedras frias e úmidas e ladeiras curtas e íngremes da Bélgica. Ela é a única americana vencedora da celebrada Ronde van Vlaanderen nos 103 anos de história da competição. Aqui, a campeã nos conduz pelas cinco subidas mais difíceis de Flandres e como é atacar cada ladeira clássica.

 

Oude Kwaremont
2,2 km de comprimento
93 metros de desnível
4,2% de inclinação (máx. de 11,6%)

A do Kwaremont é a mais difícil para mim. Ela tem o comprimento, inclinação e dificuldade exatos para te fazer sofrer. Mesmo se você estiver se sentindo bem, não vai ser excelente. Foi onde eu fui derrubada no ano em que ganhei. É uma festa de sofrimento e o acesso a ela é super estreito. Você não coloca qualquer velocidade na subida, tem meio que se arrastar por ela. Tem uns poucos trechos planos, mas ela é simplesmente bem longa.

 

Kruisberg/Hotond
1,8 km de comprimento
87 metros de desnível
4,8% de inclinação (máx. de 9%)

As estradas para chegar ao Kruisberg são estreitas e técnicas. Você começa a subir em pista asfaltada e então transiciona para cerca de 300-400 metros de uma ladeira super íngreme calçada com pedras. É um caminho realmente difícil, e você não consegue tirar muita velocidade dele.

 

Paterberg
0,4 km de comprimento
48 metros de desnível
13,7% de inclinação (máx. de 20%)

Se der para encarar a do Paterberg refrescada e com boas pernas, ela é na verdade a minha favorita. Em Flandres ela é a última subida, curta mas íngreme, e por isso parece continuar para sempre. Ela é bem íngreme e esburacada, e você tem de moê-la. Ela é tão íngreme que parece quase um ciclocross, e você tem de encontrar uma linha boa. Se a sarjeta estiver livre e você puder pedalar por ela, é minha linha preferida.

 

The Kanarieberg
0,9 km de comprimento
85 metros de desnível
7,7% de inclinação (máx. de 14%)

Esta não tem calçamento de pedras, mas é a subida em que a corrida realmente começa a se definir. Ela começa em um tipo de rodovia, e então todo mundo está tentando entrar em meia pista para carros. Você vai de 15 ciclistas lado a lado para três, e é uma briga na curva. E daí você tem de subir.

 

Muur van Geraardsbergen
0,9 km de comprimento
63 metros de desnível
9,0% de inclinação (máx. de 20%)

A do Kepelmuur é super icônica. Ela está pelo meio da prova feminina, por isso você ainda tem pernas, mas ela nunca é fácil. O acesso à subida também é técnico, indo de uma rodovia super larga a ruas estreitas. E ela fica cada vez mais íngreme.

Share this article

Related Stories